cruelty-freeA campanha Cruelty Free International apela a celebridades para incentivar a ONU a proibir mundialmente os testes de cosméticos em animais.
 
Apoio de celebridades
 
A organização sem fins lucrativos tem recebido a colaboração de celebridades britânicas, incluindo a atriz Joanna Lumley e a cantora Leona Lewis, para defender uma convenção internacional para banir testes com animais em produtos cosméticos.
 
Em uma tentativa de encorajar novos movimentos no sentido de métodos alternativos de testes cosméticos, a Cruelty Free International pediu a Antonio Guterres, Secretário Geral da ONU, que crie um conjunto claro e específico de regras que podem ser aplicadas em todo o mundo.
 
A campanha atual argumenta que isso deve ocorrer no interesse dos animais, dos consumidores e da indústria.
 
Frente unida
 
“Se trabalharmos juntos podemos acabar com o método de teste cruel usado na indústria cosmética  – cada empresa, cada pessoa, para cada animal. Vamos bani-lo agora e para sempre”, disse Joanna Lumley, atriz e adepta da Cruelty Free International.
 
Como parte do lançamento global, e para apoiar movimentos bem-sucedidos até agora na Índia, Nova Zelândia e Taiwan, a Cruelty Free International organizou um flashmob fora da sede da ONU em Nova York, EUA, para lançar sua mais recente campanha.
 
A organização argumenta que, atualmente, a indústria está sofrendo porque "as regras atuais são como uma colcha de retalhos com diferentes regulamentos em diferentes lugares".
 
“É hora de uma liderança global clara”, disse Michelle Thew, CEO da Cruelty Free International.
 
"Estamos pedindo à ONU que tome medidas decisivas e adote uma convenção internacional que estabeleça um conjunto de regras harmonizadas que acabem com testes antiquados e cruéis em animais para cosméticos para sempre", acrescentou Thew.
 
Leona Lewis, cantora e apoiadora da campanha Cruelty Free International, enfatizou: “A única maneira de garantir que nenhum animal sofra por causa de produtos cosméticos é uma proibição global que acabe com os testes cruéis em todos os lugares”.
 
Métodos alternativos
 
Hoje, a organização é aclamada como uma autoridade internacional líder em questões de crueldade animal e aconselhou governos, mídia e órgãos oficiais sobre conselhos e especialistas.
 
Até à data, tem tido uma parte significativa no avanço de testes alternativos em países APAC incluindo Índia, Coréia do Sul e Nova Zelândia. O teste alternativo não-animal continua a ser a prioridade para os apoiadores que lutam por uma proibição global de testes em animais.
 
Em janeiro, relatamos como a Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) atualizou as regras relativas aos estudos de toxicidade animal para apoiar métodos de teste alternativos.
 
Enquanto os países têm, ou estão em processo de proibição de testes de cosméticos em animais, a organização continua a se esforçar para implementar uma proibição global e adotar métodos alternativos não-animais.
 
Fonte: Cosmetics Design Asia